E vamos pra América

Férias de janeiro. 15 dias nos Estados Unidos da América: Brasília / Las Vegas / Monterey / Santa Barbara / Disney California / San Diego / Las Vegas. Vamos nessa?

Dia 1: de Brasília a Miami foram pouco mais de 7 horas em um confortável vôo da TAM, onde pude assistir aos ótimos Sicario e Mr Holmes. A parte boa da conexão em Miami é que a migração foi feita ali, e a espera na fila ajuda a passar o tempo e facilitar muito a chegada em Vegas. A estada no gigantesco aeroporto de Miami foi tranqüila, o que não se pode dizer do chato vôo de mais de 5 horas até Las Vegas. O cansaço, o fuso e um pequeno atraso no vôo da American foram recompensados pela facilidade com que resolvemos as duas próximas missões do dia: apanhar a nossa minivan na Hertz, uma Chrysler Town & Country novíssima e que nos acomodou muito bem nesses dias, e fazer check in no Excalibur.

Dia 2: uma boa noite de sono, panquecas do Ihop de café da manhã (primeira comprovação de como se come mal nessas terras) e a primeira passada em algumas lojas, com destaque para as novidades tecnológicas da Frys. A tour pelos hotéis/cassino da Strip pode ser cansativa para quem não estiver bem de preparo físico. São muitas atrações e as horas voam. Destaque positivo para o Venetian,  com um bonito céu artificial e o luxo que a cidade italiana não tem e, de negativo, os homeless querendo uma ajuda, triste sinal de tempos magros e, ainda, para o mau gosto de algumas instalações nos hotéis, breguíssimas. É possível circular entre todos os hotéis praticamente sem pisar na Strip, já que são interligados, o que ajuda a minimizar o frio dessa época. Destaque do dia para a High Roller, anunciada como a maior roda gigante do mundo. Por 27 dólares (o valor aumenta depois das 18 horas), passamos incríveis 30 minutos curtindo o visual excêntrico e belo da cidade cravada no deserto. Cervejando com a tradicional e fraca Bud Ice, largamente consumida por aquelas plagas.

Strip Las Vegas

Passarelas interligam os muitos hotéis na Strip

High Roller

Nas “cabines” da High Roller rolam até festas

Dia 3: ir a Vegas e não ir ao Grand Canyon? Impossível. Partimos cedo e depois de 40 minutos chegamos na Hoover Dam, a impressionante represa que abastece a região. Estacionamento a 10 dólares (no melhor lugar, mas tem locais gratuitos), visitas guiadas ao interior da usina, que não fizemos, “divisa” entre os fusos dos estados de Nevada e Arizona, belíssimo visual da ponte sobre o Colorado que separa os dois estados, enfim, um passeio imperdível. Mais alguns minutos e chegamos ao Lake Meal, um local de pesca, bom pra ver o rio Colorado bem de perto. Ali, com um mapa detalhado da região, convenci os amigos de que era perfeitamente possível ir ao West, a parte que dizem ser a menos especial do Canyon. Que nada. Vale muito a experiência de dirigir através do deserto por mais ou menos 2 horas, e chegar no Hualapai Legacy. Por um valor não muito barato, um ônibus nos leva a dois pontos do parque: o primeiro, o Eagle point, onde fica a Skywalk, a famosa e vertiginosa passarela de vidro, e o segundo, o Guano Point, com um visual ainda mais amplo do Grand Canyon. Se o tempo ajudar (fomos no fim de janeiro e ainda pegamos um restinho de neve), vale muito a pena. O susto do dia ficou para a chegada no parque onde um policial nos abordou alegando que passamos direto em uma parada obrigatória e dizendo não entender porque “brazilians are so fast”. O policial grandão foi sério mas cordial e não nos notificou. Terminamos o dia na Gamestop, loja de games com ótimos preços, e na Cissy, pizza barata. Cervejando: antes de dormir uma Foster’s, australiana fraquinha.

nevada_arizona

Na Hoover Dam, a divisa entre os estados de Nevada e Arizona

Dia 4: a sanha inexplicável por compras. A visita entediante ao North Premium Outlets e suas lojas chinfrins, os cupons, os outros cupons e os demais cupons. Compre, compre, compre. Passo. Depois de dirigir por alguns quilômetros chegamos à LA Ciclery, recomendada pelo Pedaleria. Nada de realmente interessante e preços pouco convidativos. Ficou a vontade de alugar uma bike, a loja dá todo o suporte. Mais Strip e os hotéis Caesar, tão grande que simplesmente não achávamos o estacionamento (não o carro, o estacionamento!), e Bellagio, de gosto duvidosíssimo. Ao Freemont, espécie de baixo Las Vegas, restou o cansaço e o frio. Mas acho que é o único lugar de Vegas que eu gostaria de conhecer de novo e melhor.

Bellagio e Caesars

Os imponentes e gigantescos Bellagio e Caesars

Dia 5: os 745 km entre Las Vegas e Monterey, na condição de carona, deserto de Mojave a dentro, foram legais demais: aqueles caminhões, os retões, a captação de energia eólica, os aviões abandonados. Desta feita ficamos no El Castle Motel, de ótimo nível, bem localizado. Finalizando o dia com um lanche no tradicional Dennys e, claro, uma breja: New Belgium Fat Tire, que me atraiu porque tem uma bicicleta no desenho da embalagem. Boa. Mas não é belga, é uma artesanal ianque.

Mojave

Deserto, energia eólica e um resto de neve

Dia 6: começando o dia na simpática Monterey na bonita praia de Del Monte Beach e, em seguida, o Old Fisherman’s Wharf, pier bacana, lojinhas, restaurantes. Passeio muito legal. Bem próximo fica a indispensável 17 Mile Drive e os 10 dólares mais bem pagos de toda a viagem: um visual arrebatador (que não combina com carro, pede uma bike), mansões, a luxuosíssima Peeble Beach (milionários de Lamborghini e Tesla, comendo hamburger). E ainda tem o Carmel, ou Carmel-by-the-Sea, que já teve Clint Eastwood como prefeito, cheia de, dizem, galerias de arte que não encontramos. Rolou um rango no incrível Safeway e sua “máquina-de-fazer-refrigerantes”. Depois de tão agradáveis horas, voltamos ao Cannery Row, que adiamos quando passamos pela manhã, para aproveitar o lindo dia na incrível 17 Mile. Não arriscamos nem o passeio para ver as baleias nem a visita ao Bay Aquarium, mas o local, pequeno, é muito agradável. Retornamos ao hotel para aproveitar a máquina de lavar roupa :-). Fim de dia com uma Sierra Nevada, que é uma das cervejas artesanais que de artesanal não tem nada: é bem distribuída e fácil de encontrar. E muito boa.

Old Fisherman's Wharf

Peeble Beach

Tudo em Peeble Beach é bonito e luxuoso

Dia 7: Mesmo que desta vez o clima não tenha ajudado muito, ir de Monterey a Santa Barbara pela Highway 1 é daquelas experiências que se precisa viver: iniciamos pelo Big Sur, (na verdade apenas um local dentro do Los Padres National Forest), onde as lindas paisagens se sucedem, ficando difícil escolher os locais para parar e contemplar o visual (como em toda viagem, quem está em direção ao sul, como no nosso caso, leva alguma vantagem nesse quesito). Parada obrigatória é o Piedras Blancas State Marine, ponto de observação de leões marinhos (muitos, nessa época), e que tem até wifi. Ainda no caminho fica a simpática Morro Bay, que também vale a parada; Já em Santa Barbara demos uma olhada no píer a noite mas voltamos ao hotel que, sorte, ficava perto de um mercado bacana, o Whole Foods, que possui um barzinho simpático em seu interior, onde foi possível degustar um chopp Telegram Los Padres Ale e levar uma boa breja, deata vez a Lagunita.

Highway One

Point Piedras Blancas

Visual, leões marinhos e wi-fi na One

Dia 8: Após um passeio curto e desorientado por Santa Barbara, fomos conferir a Missão Espanhola, uma igreja muito bonita, datada de 1786. O local possui museu, mosteiro e, claro, lojinha. Perto dali vários prédios antigos bonitos para fotografar. Próxima parada foi a praia de Goleta, bonita e com mais um pier gigantesco, que o frio não nos encorajou explorar. De volta a locais mais centrais de Santa Barbara paramos no Shoreline Park e praia de Leadbetter. Aquela situação bacana de praia em clima frio: corajosos se aventurando no surf, pessoas caminhando, um clima meio bucólico. Hora de voltar ao Stearns Wharf, que já tínhamos visitado na véspera à noite, e aproveitar a degustação de vinho (Deep Sea, local, aprovado por quem bebeu) e o Seacenter, Museu de História Natural, vida marinha que meu filho, pelo menos, curtiu muito. Na Downtown Santa Barbara (State Ave. e adjacências) fica o shopping Paseo Nuevo e mais lojas, pessoas torcendo nos bares, belo astral e visual (e, inclusive uma linda loja de discos, tema de outro post). Chegando ao hotel, bem, lembra que ele ficava perto de um mercado maneiro? Então é hora de outro chopp, agora um Founders Breakfast Stout, lindo.

eua13eua14

Dia 9: saindo de Santa Barbara em direção a LA, nossa primeira parada foi em Malibu, que é daqueles locais que parece que o nome já explica tudo. Caifornian way of life total. Já o Píer de Santa Monica vale uma parada por mais tempo, por possuir um parque de diversões, lojas, um belo visual e ser o ponto final da Route 66. Próximo dali o escritório do Google (só deu pra ver por fora), Marina Del Mar cheia de barcos e, já chegando no trânsito pesado de Los Angeles, a icônca Beverly Hills (tem mansões de milionários ali, mas passamos batido disso), a Rodeo Drive dos endinheirados e, já no “baixo” Hollywood a Meltdown Comics (zilhões de quadrinhos e colecionáveis, aquelas nerdices que amamos) e a Amoeba Music. Impossível explicar o que é ficar apenas 20 minutos num dos lugares que eu mais sonhei conhecer na minha vida, principalmente após visualizar que trata-se realmente de tudo aquilo que sempre ouvi falar. Um dia eu volto, ah se volto (lágrimas). À noite fomos ao imponente Staples Center assistir um jogaço de basquete entre Clippers, donos da casa, e os Rockets, de Houston. Amante do esporte que sou, fui premiado com um jogaço com direito a cesta de 3 pontos no último segundo para levar o jogo para a prorrogação. Em termos de torcida senti muita falta da Urubuzada, da zoeira que fazemos nos estádios, mas a técnica dos caras e a vibe do lugar fez valer o ingresso caríssimo. Fim de jogo, com vitória do time da casa, meia hora até Anahein, próxima parada, e descanso.

eua15

Pier de Santa Monica

eua16

Rodeo Drive, sinônimo de dinheiro

Amoeba Music

Amoeba. O lugar mais lindo da Terra

Dia 10: No Residence Inn Suites, bem perto da Disney, bateu a vontade de descansar, deixar o tempo passar. À tarde voltamos a outra filial da Gamestop e ao Brea Shopping, que não fica muito perto, mas tem uma Apple Store, motivo da ida até lá. Aproveitamos a noite para dar um rolê na Downtown Disney,  visual bonito, loja da Lego, etc.

Dias 11 e 12: A Disney original do Senhor Walt é pura diversão. As recentes “parcerias” com a Marvel e a franquia Star Wars fizeram com que mais atrações fossem agregadas ao Resort. Você anda muito, paga caro, come mal e volta pro hotel feliz porque deu um monte de cambalhotas. Se a família fica imensamente feliz, não sou eu que vou discordar. E, sim, eu também me diverti muito. Cervejando com a Newcastle Brown Ale, britânica que ficou devendo.

Anahein

Caminho entre o hotel e a Disney, em Anahein

eua18

Dia 13: A estrada que liga Anahein a San Diego, nossa última parada, não tem nada demais. Algumas placas tentavam nos deixar mais próximos do oceano, mas resolvemos não brigar com o GPS. A primeira parada na incrível San Diego foi nos entornos do Balboa Park, com dezenas de museus, parques incríveis, o famosíssimo zoo, aquela sensação de “vou-embora-sem-conhecer-nada-daqui”. Paramos na bela Vila espanhola de artes e seguimos ao Old Town, onde a parada foi rápida porque nos pareceu mais interessante à noite (e ficava perto do hotel em que ainda iríamos chegar). Meio perdidos e margeando a Baía de San Diego, fomos parar na Imperial Beach, ponto mais ao sul em que estivemos, já bem perto de Tijuana, depois de passar pela Base Naval de San Diego (a maior dos EUA). Se a agenda não estivesse tão apertada arriscaríamos adentrar terras mexicanas, mas fica para a próxima. Voltando a San Diego, atravessamos a ponte que separa a cidade da bela Coronado, com seu hotel gigante e praia linda. San Diego parece ter atrações intermináveis: o Gaslamp e o centro de convenções ficam no centro badalado, e ainda paramos no USS Midway, tido como maior porta-aviões museu do mundo. Não rolou conhecer o museu e as 27 aeronaves lá estacionadas, mas o entorno já é bonito o suficiente. Já noite, depois de deixar as malas no simples mas decente America’s Best Value Loma Lodge, voltamos ao Old Town e jantamos no O’Hungry’s, ambiente mexicano, agradável, cédulas de diversos países coladas por todas as paredes, música ao vivo e uma especie de “chopp-a-metro”, desta vez um Samuel Adams bastante bom.

San Diego

Dia 14: o coração já aperta, a viagem está acabando. Em frente ao hotel um depósito de bebidas enorme e sortido foi nossa última estada. Depois de algumas horas na 15, chegamos a Yermo, local do Calico Ghost Town, cidade “fantasma” cravada no deserto. A entrada não é das mais baratas e as desinteressanes atrações são cobradas a parte. Mas o visual faroeste é bem bacana e a parada vale a pena. De volta a Vegas estacionamos no Silverton, bom custo-benefício (por ficar um puco longe da Strip), não sem antes dar mais uma passada em algum outlet. A mexicana Corona (em formato latão não disponível no Brasil) foi a acompanhante da última noite na America.

That’s all folks 🙂

Menos um cara

Em uma semana perdemos Júpiter Maçã, Ian Kilmister e, agora, Ian Murdock. Já tô cansado de posts fúnebres. Quando que algum desses FDP que fodem com a nossa vida vão subir também? Meu primeiro contato com o Debian aconteceu há exatos 10 anos, e uma grande mudança se fez na minha vida: a certeza de nunca mais usar aquele sistema operacional que se tornou popular por causa da pirataria(!).

Tô de saco cheio de 2015!

Ian Murdock, o cara que criou o Debian

Ian Murdock, o cara que criou o Debian

Música sempre vida

Engraçado. Uma matéria da MTV que fala que as pessoas deixam de ouvir música nova aos 33 anos. E um incrível documentário que mostra como a música pode transformar a vida de idosos com doenças cerebrais.

Não faço absolutamente parte dessa maioria abordada na interessante matéria encomendada pelo Spotify, que destaco alguns trechos:

Em 1996, a jornalista Ana Maria Bahiana questionava: “Será que mais uma geração caiu nas garras da arteriosclerose do ‘classic rock’, cujo sintoma mais grave é essa mania de ouvir apenas o que já foi ouvido antes, e sempre cobrar de seus artistas favoritos que eles não mudem nunca?

Um ouvinte de 16 anos tem tanto a se beneficiar com uma audição de ‘A Nod Is as Good as a Wink’, dos Faces, quanto um de 55 do disco do Kula Shaker

O choque do novo fará você pensar, fazer conjecturas, ligações (“Isso soa como algo que eu ouvia” ou mesmo “nunca ouvi algo assim, mas é legal”) movimentando seus pensamentos

Como um irreparável caçador de novos sons, um discípulo de John Peel, para quem “a melhor música é aquela que eu ainda não ouvi”, posso recomendar o Ouve Essa, programa da 89 FM, capitaneado por Ricardo Alexandre. Música nova. E boa, lógico, que é o que interessa.

Alive Inside: listen to your heart

Alive Inside: listen to your heart

E sobre o filme Alive Inside, disponível atualmente no Netflix, escolhido da audiência em Sundance, a constatação, pra mim óbvia, do bem que a música faz à nossa mente, associando lembranças, trazendo memórias boas. O projeto consiste em colocar pessoas com problemas como alzhmeier em contato, via fones de ouvido, com músicas que marcaram sua vida de alguma forma. E é emocionante como os velhinhos reagem ao estímulo que aquele som causou no seu cérebro, retornando um sopro de vida, causando efeito que nenhum remédio consegue.

A conclusão é de que nossa mente precisa disso: associar música e curiosidade! O filme encerra com esse belíssimo som, hippie total, mas é de 2012 🙂 do Edward Sharpe and the Magnetic Zeros: I wanna know what we’ve been learning and learning from

De cabeça erguida

Louco é quando escrevem tudo aquilo que vocẽ sente, que você queria escrever, dizer, gritar.

And the world could die in pain
And I wouldn’t feel no shame
And there’s nothing holding me to blame
Makes you want to feel makes you want to try
Makes you want to blow the stars from the sky
I’m taking myself to the dirty part of town
Where all my troubles can’t be found

Psicocandura

Tem coisas que eu gostaria de lembrar e não consigo e tem coisas que eu não quero esquecer jamais. Uma delas foi quando ouvi Just like honey, do The Jesus and Mary Chain, pela primeira vez. Há 30 anos atrás eu ainda não havia começado de forma tão veemente minha paixão pela música indie, o que aconteceria nos primeiros anos da década de 90, a melhor da história da música :-), mas aquela experiência radiofônica foi acachapante. Os tempos eram outros e só pude ter contato com o álbum Psychocandy alguns anos depois. Mas o estrago já estava feito.

jamc

Ao longo dos anos a banda dos irmãos Reid esteve presente em vários momentos da minha vida. Seus três primeiros álbuns estarão sempre presentes em qualquer lista de melhores que eu consiga fazer. Head On (já tocada por Pixies e Legião Urbana), é uma das músicas que eu mais ouvi na vida. A banda passou pelo Brasil três vezes e eu não assisti a nenhuma, mas, sério, não acho que seja uma banda para ser ver ao vivo. Jesus & Mary Chain é banda para fones de ouvido.

Agora que os escoceses estão comemorando com turnê mundial os 30 anos de Psychocandy (existe uma bacana homenagem ao álbum feita pelo The Blog That Celebrates Itself, só com covers feitos por bandas brasileiras), nada como lembrar dois momentos inesquecíveis pra mim: a cena final de Lost in Translation e a linda Sometimes Always, que Jim Reid canta com sua então namorada, Hope Sandoval, vocalista do Mazzy Star, e que seria A música do meu longevo relacionamento amoroso 🙂

 

Quadradinhos

E lá fomos nós, pela primeira vez, conhecer o grande Festival Internacional de Quadrinhos, que acontece a cada dois anos na capital mineira e esse ano homenageou o recentemente falecido quadrinhista Antônio Cedraz. Muuuitas horas de ônibus e uma grande curiosidade em conhecer melhor o evento onde se reune toda a cambada apaixonada pela banda desenhada.

Antes uma pequena nota: cada vez tenho tido mais desilusão com as nossas capitais. Por morar em uma cidade pequena, estranho e me entristeço muito com algumas situações vividas nas grandes cidades desse país pelas quais ainda gosto tanto de passear, como BH. Principalmente com a quantidade de mendigos pelas ruas. Muitos, mas muitos mesmo. Que infelizmente já parecem desapercebidos pelos locais, mas que não escapam aos meus olhos curiosos que adoram o exercício de observar a vida atribulada e poluída dos grandes centros. Pobreza e tristeza.

FIQ 01

parede pra galera brincar à vontade

O FIQ 2015 tava muito cheio. Bombou mais do que esperava. A Serraria Souza Pinto é um local apropriado para o evento (mas tava MUITO quente lá dentro, os ventiladores não davam conta), e a organização foi ok, com pequenos contratempos admissíveis num evento gratuito. Valeu demais a oportunidade de conhecer grandes autores e ídolos como Marcatti e Gustavo Duarte, entre tantos outros. Os preços não estavam muito animadores, creio que as lojas e editoras perderam oportunidade de vender ainda mais.

FIQ02

Interessante e crítico painel sobre o Pantanal

O mais bacana no evento é o téte-a-téte com os autores, notadamente os independentes. Todo mundo vendendo seu peixe, divulgando seu trabalho, vendendo lindos prints que você não encontra facilmente pra adquirir. Uma linda demonstração de ralação e paixão!

FIQ03

Danielzinho, do Pipoca e Nanquim

FIQ04

o grande Marcatti assinou pra mim

 

FIQ05

autógrafo numa das melhores HQs dos últimos tempos no Brasil

Enfim, um fim-de-semana atípico, longe da família (questões financeiras :-(, de muita andança em BH e de muita satisfação em ver o movimento da galera: tinha cosplays, tinha Maurício de Souza em pessoa, tinha autores independentes de todo canto, tinha Marvel e DC, tinha mangás, tinha zines toscos e zines super esmerados, tinha tudão para quem gosta dessa viciante arte sequencial.

 

 

Flamengo e Vasco: polêmicas. Ou não

Vasco foi campeão do mundo vencendo o melhor Real Madrid de todos os tempos: polêmica
Flamengo teve seu título mundial reconhecido pela FIFA, que depois voltou atrás: polêmica
Vasco é bi-campeão da Libertadores: polêmica
Flamengo é hexa campeão brasileiro: polêmica
Geração de 80 do Flamengo só ganhou notoriedade por causa de vitórias conquistadas com auxílio da arbitragem: polêmica
Flamengo tem a maior torcida do Brasil por causa da Globo: polêmica
Vasco é o time com mais vices: polêmica

polêmicas, polêmicas, polêmicas, polêmicas

Vasco é bi-rebaixado no Campeonato Brasileiro: NENHUMA POLÊMICA

McCullin

“Suas fotografias são muito honestas, tão impetuosas e com tanto significado, não podemos correr o risco de você usar liberdade de expressão (…) Porque se importou em arriscar a sua vida pra dizer a verdade?” é o que pergunta em dado momento Harold Evans, editor chefe do Sunday Times por 14 anos, período em que foi o chefe do fotógrafo Don McCullin, que naquele momento deste excelente documentário disponivel Netflix (dica do Maurício Valladares), tinha sido preterido por outros jornalistas e não foi enviado para a Guerra das Malvinas. Isso no momento que o Clash entoa “This is England”. McCullin, como ele mesmo cita no filme, “viciado em guerras”, vai então para a Guerra do Líbano, onde mais uma vez tem contato com as atrocidades que o homem é capaz de cometer (e acaba sendo seu último trabalho do tipo, também motivado por encontrar crianças de dois anos, cegas, débeis e insanas internadas em condições desumanas em Beirute, em 1982).

A visão do soldado em choque, uma das premiadas imagens de Mc Cullin

A visão do soldado em choque, uma das premiadas imagens de Mc Cullin

As imagens captadas por McCullin serviram para que muitos americanos se colocassem contra a Guerra do Vietnã. As imagens incomodam, chocam, em muitos momentos do filme é preciso ter estômago forte.

mccullin1

E hoje? Quem está documentando os horrores causados pelo Estado Islâmico? Não existem mais jornalistas corajosos como aquele britânico de origem humilde? Ninguém se choca mais com a guerra? No cenário atual seria impossível adentrar a realidade da guerra como fez Don? Assistir ao filme não vai responder a essas perguntas, mas vai mais uma vez nos fazer perguntar que porra de “humanidade” escrota é essa.

Traficantes de bolachas

O Record Store Day começou em 2007 com a ideia de celebrar a música “física”, vinis e CDs, com lançamentos independentes e uma celebração de toda gente envolvida nessa cena. Hoje é um dia aguardadíssimo pelos colecionadores, de vinil principalmente, tendo em vista os lançamentos exclusivos e de tiragem limitada que acontecem por causa da data.

muitos traficantes no Museu da Imagem e do Som em Sampa

muitos traficantes no Museu da Imagem e do Som em Sampa

No sábado 18 de abril, no Museu da Imagem e do Som, em SP, dia mundial do RSD, foi dado um pontapé para uma edição nacional do evento. Muita gente correndo atrás do bom e velho vinil. Muitas caixas de feira lotadas de música boa, lançamento de livro sobre a vida do Kid Vinil, shows de Rômulo Fróes e Bruno Souto, chopp Guiness caro e ruim, food truck, molecada arroz-de-festa, roots da velha guarda, enfim, aquela fauna louca das metrópoles. Eu, na qualidade de expectador reverente que tenho muitas das bolachas vendidas a preço de ouro lá, mas que nem ao menos possuo meu turntable 😦 atualmente, só posso torcer para que hajam mais e mais eventos como esse, afinal, como li numa tatoo por lá, “enquanto houver música, haverá esperança”.

Record Store Day

Record Store Day

Novas Tendências

Outro dia, aí embaixo, homenageei o grande Maurício Ronca-Ronca Valladares. Um cara que me deu um norte na vida. E o incrível é que hoje, dando uma olhada nas novidades do ronquinha, vi o Maurição reverberando a estreia do novo programa do José Roberto Mahr na Cidade FM. Como assim? José Roberto Mahr? Cidade FM? Que teletransporte é esse que me carrega de volta ao início dos 90, mais precisamente ao dia que fui ao estúdio da rádio conhecer o grande DJ e faturar a promoção que tava rolando, camisa e poster do filme dos Doors. Ali na minha frente o grande Zé Roberto que eu já acompanhava há muito na Flu FM, responsável pelo programa que fez minha cabeça por tanto tempo. Precisamente hoje estava lá com o PC ligado para acompanhar a estreia que, claro, não decepcionou: o homem já abriu com Tame Impala, já tocou Temples e Royal Blood, mostrando que a antena continua ligada nas novas tendências. Teve um Quasi pra relembrar os emblemáticos 90’s e nesse momento já tá, assim como fazia no século passado, tocando a sessão “rave-techno-electro-dançante”.

zerodb

Pô véio que viagem boa.

Um novo dia

New day rising é esperança. New day rising é vida. New day rising é barulho, é distorção, é reverb. New day rising é Husker Du. É Hart/Mould/Norton. New day rising é uma sensação indescritível, é punk, é hardcore, é indie, é noise. É açúcar para os meus ouvidos calejados de tanto lixo. New day rising está fazendo 30 anos. New day rising mudou minha vida. New day rising é absoluta e simplesmente foda pra caralho.

Quadradinho

Meu pai conta que ele, tricolor, ficava de cara quando eu, pirralhinho, apontava e sorria para os caras de vermelho e preto diante dos jogos na televisão: paixão rubro-negra. Amigo fissurado em carros e motos me mostrando suas revistas importadas e, com isso, fazendo brilhar meus olhos e criando uma paixão por motores. As ondas do dial no meu velho walkmen ecoando os programas Mack Twist e Novas Tendências na Fluminense FM, bagunçando meu sistema nervoso e me apontando um mundo incrível ante à mesmice então reinante: paixão pela música alternativa e, consequentemente, pelo cinema out hollywood. A despretensiosa compra de uma magrela de duas rodas para ir trabalhar que de repente me atiça ir cada vez mais longe e a minha paixão por pedalar. Um brinde com um amigo com uma cerveja belga presenteada e a descoberta de que havia muito mais a explorar naquele mundo maravilhosamente etílico que eu já vivia.

Eu lembro (claro) de toda essa velharia mas não sei bem onde exatamente começou minha paixão por quadrinhos, a maravilhosa arte sequencial desenhada. Mas é mais que sabido que “desde criança só lemos os quadrinhos nos jornais”

Ah, hoje é o dia do Quadrinho Nacional 🙂

Dia do Quadrinho Nacional

Dia do Quadrinho Nacional

Ronca Ronca

Esse post é uma singela homenagem ao programa Ronca Ronca, do DJ e fotógrafo Maurício Valladares. Hoje sendo reverberado pela Oi FM, o programa completa, na atual casa, 100 edições e nesse exato momento estou ouvindo a edição comemorativa, que está sendo feita com as listas, enviadas pelos ouvintes, das 20 músicas preferidas d’A Tripa, alcunha dos “seguidores” do grande Maurição, ativo nas ondas do dial desde sei lá quando. São 21:31 e está tocando “só” Fake Plastic Trees, do Radiohead (mas já tocou Nelson Cavaquinho, e essa é a graça do programa).

Se foi o Mack Twist da Fluminense FM que me ensinou a gostar de hardcore e rap, se foi o DJ José Roberto Mahr que me apresentou, também na Flu, o britpop, o trance, EBM, o indie enfim. Se Tom Leão, Rodrigo Lariú, os caras com quem troquei cartinhas cheia de flyers dentro (notadamente Rodrigo Dead Fish e Juninho White Frogs) foram caras importantes para a minha colação de grau no tal de rock’n’roll, posso dizer, sem dúvida, que foi o Ronquinha que me abriu os ouvidos para tudo, para tudo que é autêntico, casca-grossa, cabeleira-alta, inoxidável.

Por aqui minha mulher e meu filho já sabem de cor as vinhetas do programa (marca registrada), afinal o Ronca, agora disponibilizado em podcast, é praticamente o único som presente no carro: seja levando o filho a escola, seja numa viagem de quatro horas.

Obrigado Maurício, obrigado mesmo cara!

Link para o download do programa

mauval

Maurição, foto do site Rock em Geral

Pólis

Aí, na boa: eu não ligo se você não se importa que o Aécio construiu um aeroporto nas terras da família e depois tacou fogo na prefeitura que continha provas. Que o PSDB não cumpriu seu papel estatal no governo de SP escondendo, por questões eleitoreiras que persistirão até segunda-feira, a gravíssima questão da água no estado. E também não ligo se você não se preocupa que o PT pode ficar 16 anos no poder, inchando a máquina pública e dando o peixe sem ensinar a pescar.

O que eu queria mesmo é que a política fosse capaz de melhorar o nível dos eleitores neste país. Dos eleitores: essa gente pentelha que me enche o saco com opiniões que eu não pedi. Que consegue votar no genial Marcelo Freixo (deputado estadual mais votado, sem UMA placa na rua) e em Bolsonaro (federal mais votado, disseminador de ódio).

Que chegue logo a segunda-feira e voltemos às nossas vidas. Essa que não desperta interesse NENHUM nesse bando que aí está – ou no que já esteve. Farinha do mesmo saco, mosca da mesma merda.

Reacionário e caretão

Hoje descobri que essa pequena maravilha psicodélica dos australianos incríveis do Tame Impala faz parte da trilha de uma série que a Globo está exibindo. Assim como aconteceu com uma outra belíssima música dos sumidos e não menos incríveis The XX numa outra série já terminada lá no mesmo canal. Mas aqui com meus botões fiquei pensando um tanto: antigamente, na pré-era da informação, o que ditava o que as pessoas ouviriam, gostariam, comprariam, consumiriam, era o que tocava no rádio, na novela, no filme. Você não tinha escolha, era o que tinha e pronto. Muita gente ruim e alguma gente boa fez sua estória nessa. Mas hoje não. Os tempos são outros, quem gostar dessa música pode aproximar seu smartphone do local onde está tocando o som, acionar o Musixmatch, e em segundos vai saber quem toca, qual é a música, ver a letra, conhecer a biografia da banda, ter os links para o vídeo, etc, etc. Mas a preguiça, ou a indolência, ou a pura má vontade, sei lá, pode fazer com que se diga apenas que esse troço de internet é um saco, é muito difícil, que música boa era a que tocava no rádio, etc e tal.

Foda-se. O problema é seu.