O novo e o velho

As pessoas se preocupam com o Rock in Rio. As pessoas gostam de “levanta a mão”, de “sai do chão”, de show de banda velha, de selfies com linguinha de fora, de pirotecnia. Só que eu não gosto das pessoas. De quase todas as pessoas, e muito menos dessas. Enquanto os curupiras se deliciavam com Alter Bridge, eu troquei de canal e vi o Bis transmitindo o Glastonbury com Patti Smith, Paul Weller e tals. Lindos. Mas velhos. Desliga tudo. Liga o note. Busca novidade. Até que, mermão, que porra é essa??

Adeus velhinhos caquéticos. A Shilpinha acaba de encerrar a briga por melhor música do ano. Lambam vossas rugas. I’m out.

 

O Kid, o Chris e os caras que não deviam morrer

Eu não sei se eu seria a mesma pessoa se não fosse o Kid Vinil. Depois de viver o boom do rock nacional dos anos 80, ir a muitos shows e, enfim, estar dentro daquele furacão, me pego, ali na virada de década, meio sem rumo, querendo continuar ouvindo músicas legais, e novas, me recusando a aceitar que as rádios já tinham enjoado do rock. Havia a Bizz, a Flu FM, eu comecei fuçar o underground, ler fanzines, descobrir os indies, as guitar bands brazucas. Eu queria o rock, eu queria conhecer cada vez mais aquilo. E, sei lá quando, descobri que aquele cara que cantava “Eu sou Boy”, que parecia só mais um Doutor Silvana, um Léo Jaime mais excêntrico, era, sim, uma enciclopédia ambulante, um colecionador de discos, um radialista e DJ carismático, o nosso John Peel. Passa o tempo, e só com a maravilhosa internet volto a, não sei quando (de novo, lesado e velho), descobrir o velho Kid e seus programas na 89 FM, 107 FM, Brasil 2000. Lá estava ele tocando, com o mesmo tesão, uma banda progressiva dos sixties ou a mais nova sensação da Nova Zelândia. Um amante do rock que eu admirei, que segui, que bati um papo no Record Store Day em 2015. Um puta cara.

E nesse meio tempo entre a morte do rock brasileiro dos 80 e minha sanha por não abandonar aquilo de jeito nenhum, houve o tal do grunge. A flanela, a distorção, os malucos daquela cidade feia. Acho (sei lá novamente) que Hunger Strike foi meu segundo grunge, depois de Smells like teen spirit. Caralho, que voz é essa? Quem é esse maluco? E lá estava eu, descobrindo o Soundgarden, virtuosa banda naquele cenário distorcido. Na minha humilde e desnecessária opinião que ninguém pediu Mark Lanegan ainda é o maior vocalista daquela cena. E o único que ainda não morreu. Mas essa música aí embaixo é uma das que me fez amar essa banda e seu puta vocalista.

Crumb Peel

Hoje, 30 de agosto, fuçando os feeds da vida, descobri que é o dia em que vieram ao mundo dois caras importantíssimos para a cultura pop e dos quais sou fã: Robert Crumb e John Peel. Do primeiro, grande quadrinhista americano, confesso que não estou entre os fãs mais ardorosos. Mas é impossível desconsiderar a importância de Crumb para a história dos quadrinhos. Uma espécie de precursor dos desenhos toscos e azeda verve política.

Seu livro “Blues”, que eu li na edição brasileira de 2010, foi meio que um pontapé inicial na minha nova mania de caçar documentários sobre música, seja em que mídia for. Neste momento em que estou estou mergulhado no rap, com a série “Get Down” e os quadrinhos de “Ghetto Brothers”, só tenho a agradecer ao senhor Robert.

crumblues

Já o DJ e radialista John Peel, falecido em 2004, talvez seja um dos meus maiores inspiradores na maravilhosa arte de caçar novos sons, de nunca se render ao estabelecido nas famigeradas e vendidas paradas musicais. A marca “Peel Sessions” está sempre associada ao frescor, ao tesão, ao alive and kicking de seus convidados nos estúdios da BBC. Um bom exemplo está aqui. Que se registre no seu aniversário sua imagem e sua música predileta:

peel

Todas as desculpas

No fim de 2014 o Nirvana foi homenageado no Rock and Roll Hall of Fame. Na cerimônia, depois das palavras de Michael Stipe, do REM, subiram ao palco a mãe e filha de Kurt, a viúva polêmica Courtney e os remanescentes Dave Grohl e Krist Novoselic que, acompanhados por mulheres, tocaram 4 sucessos da banda. Quando me deparei com esse vídeo da Lorde cantando All Apologies com Pat Smear, Joan Jett e Anne Clark/St. Vincent nas guitarras e Kim Deal no baixo, quase fui às lágrimas, o que se repete toda vez que revejo. São 3 gerações misturadas homenageando a maior banda dos 90’s.

Emoção demais para esse velho que viu a história ser escrita, naquele 23 de janeiro de 1993, antológico show do trio no Hollywood Rock. Haja coração. Tem o evento todo nesse link.

De cabeça erguida

Louco é quando escrevem tudo aquilo que vocẽ sente, que você queria escrever, dizer, gritar.

And the world could die in pain
And I wouldn’t feel no shame
And there’s nothing holding me to blame
Makes you want to feel makes you want to try
Makes you want to blow the stars from the sky
I’m taking myself to the dirty part of town
Where all my troubles can’t be found

Psicocandura

Tem coisas que eu gostaria de lembrar e não consigo e tem coisas que eu não quero esquecer jamais. Uma delas foi quando ouvi Just like honey, do The Jesus and Mary Chain, pela primeira vez. Há 30 anos atrás eu ainda não havia começado de forma tão veemente minha paixão pela música indie, o que aconteceria nos primeiros anos da década de 90, a melhor da história da música :-), mas aquela experiência radiofônica foi acachapante. Os tempos eram outros e só pude ter contato com o álbum Psychocandy alguns anos depois. Mas o estrago já estava feito.

jamc

Ao longo dos anos a banda dos irmãos Reid esteve presente em vários momentos da minha vida. Seus três primeiros álbuns estarão sempre presentes em qualquer lista de melhores que eu consiga fazer. Head On (já tocada por Pixies e Legião Urbana), é uma das músicas que eu mais ouvi na vida. A banda passou pelo Brasil três vezes e eu não assisti a nenhuma, mas, sério, não acho que seja uma banda para ser ver ao vivo. Jesus & Mary Chain é banda para fones de ouvido.

Agora que os escoceses estão comemorando com turnê mundial os 30 anos de Psychocandy (existe uma bacana homenagem ao álbum feita pelo The Blog That Celebrates Itself, só com covers feitos por bandas brasileiras), nada como lembrar dois momentos inesquecíveis pra mim: a cena final de Lost in Translation e a linda Sometimes Always, que Jim Reid canta com sua então namorada, Hope Sandoval, vocalista do Mazzy Star, e que seria A música do meu longevo relacionamento amoroso 🙂

 

Um novo dia

New day rising é esperança. New day rising é vida. New day rising é barulho, é distorção, é reverb. New day rising é Husker Du. É Hart/Mould/Norton. New day rising é uma sensação indescritível, é punk, é hardcore, é indie, é noise. É açúcar para os meus ouvidos calejados de tanto lixo. New day rising está fazendo 30 anos. New day rising mudou minha vida. New day rising é absoluta e simplesmente foda pra caralho.

Reacionário e caretão

Hoje descobri que essa pequena maravilha psicodélica dos australianos incríveis do Tame Impala faz parte da trilha de uma série que a Globo está exibindo. Assim como aconteceu com uma outra belíssima música dos sumidos e não menos incríveis The XX numa outra série já terminada lá no mesmo canal. Mas aqui com meus botões fiquei pensando um tanto: antigamente, na pré-era da informação, o que ditava o que as pessoas ouviriam, gostariam, comprariam, consumiriam, era o que tocava no rádio, na novela, no filme. Você não tinha escolha, era o que tinha e pronto. Muita gente ruim e alguma gente boa fez sua estória nessa. Mas hoje não. Os tempos são outros, quem gostar dessa música pode aproximar seu smartphone do local onde está tocando o som, acionar o Musixmatch, e em segundos vai saber quem toca, qual é a música, ver a letra, conhecer a biografia da banda, ter os links para o vídeo, etc, etc. Mas a preguiça, ou a indolência, ou a pura má vontade, sei lá, pode fazer com que se diga apenas que esse troço de internet é um saco, é muito difícil, que música boa era a que tocava no rádio, etc e tal.

Foda-se. O problema é seu.

I just wanna stay alive

Eu não tenho nenhuma dúvida em afirmar que assistir essa música do Killing Chainsaw, no BHRIF (Belo Horizonte Rock Independent Fest), ao lado de meu grande amigo Jorge André, em 1994, foi uma das mais transcendentais e inesquecíveis experiências de minha vida. Eu não sei quem eu sou hoje, não sei quem eu era naquele ano, só me lembro de entrar num supermercado imundo ao lado da rodoviária pra comprar um quilo de alimento não perecível e entrar naquele lugar pra ver o Fugazi, que eu mal conhecia e hoje venero. Que eu morra com esse riff me atazanando o cérebro.

A cura para todos os males

Naquela zapeada da preguiça pela TV me deparei hoje com o documentário “A vida até parece uma festa” que conta a trajetória dos Titãs, sem dúvida uma das maiores bandas brasileiras e das que me motivou a gostar de rock. O filme é bem antigo, achei até meio fraquinho, a banda merecia mais, quem sabe ainda role, mas bateu aquela ótima nostalgia. Ótimas lembranças. Quantos shows desses caras eu já assisti, bebaço, com os parceiros, em roubadas, enfim, vivendo meus 80’s/90’s.

Daí que quando ligo o computador, ainda naquela vibe nostálgica, vejo que no Record Store Day desse ano saiu o vinil de Just Like Heaven, uma das melhores músicas de todos os tempos, com o Cure de um lado e a versão torta e linda do maravilhoso Dinosaur Jr de outro.

Homem não chora é o caralho.

Tenho coração

Nunca entendi bem essa gente straight edge. Qual é a desses caras que tocam um puta hardcore, mas não bebem nem uma cervejinha? 🙂 Mas guardo com carinho meus CDs do Self Conviction, do Point of No Return, meu cartaz do Verdurada. E hoje, naquela passada pelo sempre fantástico Hangover Heart Attack, me deparo com esse Have Heart, apenas mais uma banda maneira de hardcore certinho (a galera conversando na boa com o policial em cima do palco é demais!). Good vibes total!!