Menos um cara

Em uma semana perdemos Júpiter Maçã, Ian Kilmister e, agora, Ian Murdock. Já tô cansado de posts fúnebres. Quando que algum desses FDP que fodem com a nossa vida vão subir também? Meu primeiro contato com o Debian aconteceu há exatos 10 anos, e uma grande mudança se fez na minha vida: a certeza de nunca mais usar aquele sistema operacional que se tornou popular por causa da pirataria(!).

Tô de saco cheio de 2015!

Ian Murdock, o cara que criou o Debian

Ian Murdock, o cara que criou o Debian

Dock para notebook

Da série “porque-ninguém-pensou-nisso-antes”: “a La Boite Concept (…) criou um dock feito para notebooks, uma mesa na qual você pode apoiar seu computador e ligá-lo diretamente em um sistema de som potente e de qualidade.”

Vi na Trip

Playbutton

E não param de inventar coisas que tentam reaproximar a música de algo”físico”, a tentativa de retorno do velho objeto de desejo. A última que vi foi o Playbutton, um button de aço inoxidável de 3cm de diâmetro que carrega um álbum inteiro em sua memória flash.

As limitações são várias. Não é possível, por exemplo, transferir as músicas para outro dispositivo. E o preço é alto. Mas o que achei mais lindo, além de existir um do Pains of Being Pure At Heart, é que as músicas vêm em OGG!

Falta pouco

o mundo fica melhor a cada seis meses…

The next version of Ubuntu is coming soon

e é hora de backup, faxina, novos softwares, novas configurações, novo visual, deixar o Dellzinho aqui ainda mais show de bola. E você, ainda usao o SO daquela empresa

Passando informação

9 da noite aqui no QG deste blog. Aquela passada no Google Reader e lá estão algumas dezenas de coisas pra ler, pra saber, pra ver, pra curtir. Assuntos variados. Blogs bagaceira e escritores renomados falando de cerveja, cachaça, tecnologia, rock’n’roll, cinema, coisas úteis, coisas fúteis. Leio um feed e lembro de um amigo. Fulano ia gostar disso. Outro post e a lembrança de um camarada apaixonado por aquele assunto. O Twitter seria uma ótima maneira de ir divulgando essas coisas e alimentando meu modo propagador. Mas por simples falta de interesse ou por imaginar ser essa ferramenta apenas mais um hype que os brasileiros estragarão, meus amigos não … tuitam?

Meu email não serve pra quase nada, mas esses meus amigos devem usá-lo e, incrível, só hoje eu vi que a ferramenta de “enviar por e-mail” do Google Reader parece que funciona bem. Mas, será que meus amigos reagem ao recebimento disso da mesma forma que eu reajo quando chegam aqueles PPS que sempre terminam com “repasse pra seus amigos”. He, ainda bem que não dá pra mandar anexo pelo Twitter.