Menos um cara

Em uma semana perdemos Júpiter Maçã, Ian Kilmister e, agora, Ian Murdock. Já tô cansado de posts fúnebres. Quando que algum desses FDP que fodem com a nossa vida vão subir também? Meu primeiro contato com o Debian aconteceu há exatos 10 anos, e uma grande mudança se fez na minha vida: a certeza de nunca mais usar aquele sistema operacional que se tornou popular por causa da pirataria(!).

Tô de saco cheio de 2015!

Ian Murdock, o cara que criou o Debian

Ian Murdock, o cara que criou o Debian

Anúncios

“Um marco trágico do nosso tempo”

aaron

“Eu cresci e através de um lento processo percebi que o discurso de que nada pode ser mudado e que as coisas são naturalmente como são é falso. Elas não são naturais. As coisas podem ser mudadas.”

“poucas pessoas traduziram tão bem a época em que nós estamos vivemos quanto Aaron Swartz” (…) “isso faz com que possamos pensar que sua morte é também, simbolicamente, um fracasso da geração a qual pertenço…”

“Já não é um tanto estúpido pensar em mundo real/mundo virtual como oposições? Criticar o “ativismo de sofá” dos mais jovens, menosprezando as ações na rede, não seria má fé ou ignorância? Talvez, como pais e adultos desse tempo, parte de nós tenha apenas medo e vergonha daquilo que não compreende.”

“Aaron não era apenas um gênio da internet, ainda que essa palavra “gênio” já tenha sido tão abusada. Talvez o maior ato político de Aaron tenha sido o que fez com seu talento. Ele usou-o para lutar pelo acesso livre ao conhecimento, via internet. Isso, em si, já o tornaria perigoso para muitos.”

Então, é isso. Ele nos deixou sozinhos no mundo que legamos à sua geração. Entre os tantos feitos admiráveis deixados por Aaron em sua curta trajetória, ao morrer ele deixou também um outro legado: a denúncia do nosso fracasso.”

Leia o artigo de Eliane Brum, na íntegra, no site da Época