Nevermind

nirvana

Entre tantas matérias por aí reportando o fato de que, no dia 24 de setembro, ontem, o álbum que quebrou tudo, que ditou uma nova ordem, que colocou a distorção nas paradas, completou 25 anos, essa da SPIN me chamou atenção pelo depoimento do grande Eddie Vedder, outro que encabeçava aquele turbilhão de música americana made in 1991:

“It was summertime in Seattle, and our record Ten was coming out in about a week. There were a few copies of Nevermind floating around on cassette before the record was out, and I remember hearing it on a Walkman, walking by myself on a rare nice day when the clouds broke for the first time in months. (…) Later that summer, Fugazi were playing in the Mojave Desert. We drove in this little Toyota with Nevermind playing. You could just listen to that thing on repeat, it never dipped.”

E eu, que atravessei o mesmo Mojave nesse início de 2016, ouvindo na rádio via satélite da van que compartilhava com família e amigos … Pearl Jam! no Rio de Janeiro! (era uma rádio que só tocava PJ ao vivo). Minha emoção naquele momento talvez não seja tanta quanto a de ouvir o recém-lançado Nevermind indo a um show do Fugazi, claro, mas quem irá discordar que essas memórias, as minhas e a de Eddie :-), em que música e bons momentos se cruzam são, por falta de palavra melhor, inesquecíveis.

 

Anúncios

Todas as desculpas

No fim de 2014 o Nirvana foi homenageado no Rock and Roll Hall of Fame. Na cerimônia, depois das palavras de Michael Stipe, do REM, subiram ao palco a mãe e filha de Kurt, a viúva polêmica Courtney e os remanescentes Dave Grohl e Krist Novoselic que, acompanhados por mulheres, tocaram 4 sucessos da banda. Quando me deparei com esse vídeo da Lorde cantando All Apologies com Pat Smear, Joan Jett e Anne Clark/St. Vincent nas guitarras e Kim Deal no baixo, quase fui às lágrimas, o que se repete toda vez que revejo. São 3 gerações misturadas homenageando a maior banda dos 90’s.

Emoção demais para esse velho que viu a história ser escrita, naquele 23 de janeiro de 1993, antológico show do trio no Hollywood Rock. Haja coração. Tem o evento todo nesse link.

Lutador

“E veio a porra do Cobain e fudeu com tudo”. Como me chamou a atenção essa passagem do ótimo The Wrestler, com o figura Mickey Rourke. Em dado momento ele, Randy The Jam, e Marisa Tomei, no papel de uma decadente stripper, começam a, doidões, cantarolar hits oitentistas total “wasp” (Guns, Def Leppard), aquelas músicas de arena, sexistas e tal, que marcaram a década de 80 na América. E ao citarem que Kurt Cobain “fudeu com tudo”, por causa do baixo-astral de suas letras e ainda, bem sabemos, iniciar uma nova ordem mundial, vejo o quanto a música pode ser marcante na vida gente: para eles a derrocada daquele estilo poser (em contraste total à vida de seus personagens), que sucumbiu ante à melancolia do Nirvana, foi motivo de tristeza e depressão. E eu aqui, pensando naquele show maravilhoso e histórico de Kurt, Dave e Krist no Rock’n’Rio em 93, que me fez mergulhar de cabeça no então underground americano, fascinado que fiquei por aquela barulheira. Minha música preferida até então? Sweet child o’ mine, vai vendo …